terça-feira, 26 de julho de 2011

Diga How invadindooo!!!



O grupo de rap Diga How lança mais um projeto,  o "Diga How Invade" , o rapper Magú  um dos vocalistas do grupo, fez uma visita ao Centro de Atendimento Juvenil Especializado (CAJE), instituição que menores infratores cumprem medidas socioeducativas.
No vídeo,  Magú entrevista funcionários do CAJE para saber mais sobre o trabalho realizado na instituição, também entrevistou alguns menores infratores que relataram a verdadeira realidade do lugar
Você pode conferir o vídeo e tirar suas próprias conclusões...
Parabéns ao grupo Diga How pela iniciativa e estamos todos  esperando  o próximo,"Diga How Invade".

Para conhecer mais sobre o Diga How, confiram a matéria feita com o grupo no Programa Alternativo do SBT.

Diga How, eu recomendo!

Karla Ramalho

segunda-feira, 25 de julho de 2011

Eu recomendo!

Eu adoro quadrinhos e tirinhas criativas, irônicas e divertidas, por isso recomento um novo blog de tirinhas...


É o blog da Flávia Helena, artista plástica, moradora de São Sebastião e ex aluna do colégio Centrão,  onde também estudei. Na época em que eu fazia parte do grupo de teatro "Sobrinhos do Seu Tião" ela foi figurinista de uma peça que apresentamos(Xadrez, o Jogo da Vida), por isso eu garanto que ela tem talento.
"Ninguém me tiras", eu recomendo!

Karla Ramalho

52º CONGRESSO DA UNE!





Com gritos exaltados do tipo:

UNE, UNE!É PRA LUTAR, É PRA LUTAR!!
RECONQUISTAR,RECONQUISTAR, A UNE É PRA LUTAR!!
O MOVIMENTO QUE EU FAÇO, TEM MULHER EM TODOS OS ESPAÇOS!!
DILMA ROUSSEF, LEGALIZA O BECK!!


Estudantes de todo o Brasil e especialmente da corrente Reconquistar a UNE, participaram do 52º Congresso da UNE realizado na linda cidade de Goiânia- Goiás, foi o primeiro Congresso com uma mulher na Presidência da República, que não teve sua presença, mas teve a presença do ex-presidente Lula na plenária sobre o PROUNI.
Na minha opinião, achei o Congresso relativemente fraco,a UNE tem deixado pouco a pouco de ser revolucionária e combativa e se tornando governista, por mais que o discurso do presidente da UNE fale o contrário.
A Reconquistar a UNE, corrente de oposição  formada por estudantes membros da Articulação de Esquerda do PT, apesar de pequena teve importante participação no Congresso, com delegados bem politizados e participativos nas plenárias, apesar de pouco espaço,  ela vem seguindo seus ideiais, não fechando com outras correntes apenas para obter cargos na diretoria da entidade e assim não vendendo suas ideologias.


A UNE precisa principalmente lutar pela democratização da educação, desde a Educação Básica ao Ensino Superior, precisa lutar contra a elitização das Universidades Públicas, onde os jovens de periferia e principalmente oriundos de escolas públicas não têm acesso e quando tem,  não conseguem se manter  e são obrigados  a abandonarem o curso por questões financeiras, por isso a importância de um grande investimento em assistência estudantil( R$ 1,3 bilhão),além de acabar com o atual modelo pedagógico das Universidades, ainda influenciado pela Ditadura Militar, onde o principal intuito é apenas a preparação para o mercado de trabalho.
A aprovação do novo PNE também foi um tema bastante discutido no Congresso, principalmente em relação aos 10% investido na educação que foi estabelecido na CONAE, mas o MEC vetou, estabelendo 7% até 2020, além de 50% do Pré Sal para educação, que também não foi aprovado pelo MEC.

Nesse ano o Congresso Nacional irá discutir o novo Plano Nacional de Educação e cabe mais uma vez ao Movimento Estudantil participar dessa grande decisão, que com certeza mudará os rumos do país, contribindo cada vez mais para a melhoria da educação e consequentemente a melhoria da sociedade.
A participação da mulher na política, também foi algo bastante debatido, foi notório a grande participação feminina no Congresso, ocupando todos os espaços de discussão,  tendo também a realização da Marcha das Vadias, que tem como principal bandeira a luta contra o machismo e contra a opressão das mulheres na sociedade, além de levantar temas como a Legalização do Aborto, levando essa discussão além do campo religioso, mas sim, como um direito da mulher sobre seu corpo,  deixando de ser crime para se tornar algo de saúde pública, onde o governo invista cada vez mais em orientação sexual nos postos de saúde e nas escolas e quando por vontade própria a mulher querer fazer uma aborto, ter assistência médica do governo.
Ocorreu também a Marcha da Maconha com a participação de 2 mil pessoas, reivindicando a descriminalização da maconha e a legalização das drogas, pois a situação atual só vem aumentando cada vez mais o tráfico e consequentemente levando crianças e jovens para a criminalidade. A polícia deve prender os traficantes e não os usuários, pois o  indivíduo tem plena liberdade para usar o que quiser e  essa questão é mais um caso de saúde pública, onde o governo deve oferecer tratamento gratuito e eficaz para dependentes químicos.
Em relação a maconha já está mais do que provado que seus efeitos não são devastadores como mostra a mídia de massa, as drogas lícitas são muito mais prejudiciais.
Esse foi um pequeno relato pessoal do 52º Congresso da UNE, espero que a luta continue, que a UNE mude de postura e que as reivindicações sejam atendidas.

SOOOU, SOU ESTUDANTE EU SOU, EU QUERO ESTUDAR, PRA SOCIEDADE MELHORAR!!

Karla Ramalho
RECONQUISTAR A UNE